Make your own free website on Tripod.com
.
NAGE - NO -KATA
KATA DAS FORMAS DE PROJECÇÃO
 (Esta folha demora a carregar, tenha paciência)
 
   Os Katas são a ética do Judo. Neles se encontra o espírito do Judo, sem  o qual  é  impossível compreenderem-se os seus pricípios. 
Jigoro Kano 
 
. 
  • 1º Grupo - TE-WAZA (Técnicas de braços)
  • 2º Grupo - KOSHI-WAZA (Técnicas de ancas)
  • 3º Grupo - KOSHI-WAZA (Técnicas de pernas)
  • 4º Grupo - MA-SUTEMI-WAZA (Técnicas de sacrifício de costas)
  • 5º Grupo - YOKO-SUTEMI-WAZA (Técnicas de sacrifício para o lado)
NOTA: As imagens animadas não representam a sua execução no Nage-no-kata.
 
INÍCIO 
.
    Para dar início à execução das técnicas que compõem este Kata, o Tori e o Uke devem encontrar-se distanciados quatros metros, em posição de Shizen-Hon-Tai. 
    Avançam na direcção um do outro, até distarem a aproximadamente um metro, param e nesta breve paragem devem conseguir o equilíbrio emocional, necessário para as acções seguintes, este estado de espírito é o que deve presidir em todas as manifestações desta modalidade, Katas, demonstrações, e mesmo competições. 
 
. 
    • UKI-OTOSHI
    • IPPON-SEOI-NAGE
    • KATA-GURUMA
UKI-OTOSHI
. 
   O UKE toma a iniciativa de ataque, fazendo Kumi-Kata à direita e avançando a perna direita, empurrando o Tori na mesma direcção. O Tori aproveita a acção do Uke, e recuando primeiro a perna esquerda, depois a direita, em Tsugi-Ashi, vai durante os três passos necessários, executar o Uki-Otoshi. 
     No último  passo o Uke já  deve estar em desequilibro e o Tori, por uma acção conjunta dos dois braços e usando o peso do seu próprio corpo, deixa-se cair sobre o joelho esquerdo, para executar a projecção. 
    O importante para o sucesso desta técnica é conseguir uma boa coordenação da tracção dos braços no momento em que o joelho toca no tapete (os dedos dos pés devem estar devidamente apoiados no solo), toda  esta acção deve ser acompanhada por uma ligeira rotação do tronco. 
. 
IPPON-SEOI-NAGE
  O Tori deve distar do Uke aproximadamente dois metros. O Uke toma a iniciativa de ataque, tentando atingir a cabeça doTori com um soco, avançando a perna esquerda e puxando o braço direito para trás, para depois procurar atingir o seu objectivo quando avança a perna direita, tentando um batimento de cima para baixo. 
   O Tori encarando sempre o Uke, defende este ataque avançando a perna direita, com o pé um pouco à frente do pé direito do Uke e bloqueando o batimento com o seu  antebraço esquerdo. Assim que defende esta acção, controla com a sua mão esquerda o punho direito do Uke, rodando sobre o pé direito e projecta em Ippon-Seoi-Nage. 
   O Uke quando é projectado deve cair à frente dos pés do Tori, devidamente controlado. 
    Como pontos importantes, devemos ter a preocupação de executar uma boa defesa do ataque, rodando de imediato com o tronco bem direito, colocando o Tori o seu braço direito por baixo da axila direita do Uke, com a mão bem perto do ombro.  
     O Uke deve ser projectado por cima do ombro direito do Tori no momento em que este inclina o tronco à frente, como se fizesse uma grande saudação. As pernas durante toda a acção devem estar ligeiramente flectidas. De seguida a mesma técnica deverá ser executada à esquerda, como todas as outras. 
KATA-GURUMA
   Para esta técnica o Tori e o Uke, ficam como na primeira técnica (Uki-Otoshi), a uma distância aproximada de um metro. Da mesma forma o  Uke tomam a iniciativa fazendo o Kumi-Kata à direita e  avançando a sua perna direita. O Uke reage a esta acção recuando a perna esquerda, e continua o movimento durante os três passos necessários para a concretizarão do Kata-Guruma. Como para a execução desta técnica é necessário uma certo poder para colocar o Uke em cima dos ombros, o Tori ao segundo passo muda a pega da mão esquerda, passando-a por dentro do braço direito do  Uke, agarrando-lhe  a parte  média  interna da manga, para  assim conseguir uma melhor colocação para  fazer força e assim o levantar para cima dos ombros. 
   Como pontos importantes, destaca-se uma boa base de apoio, flectindo e afastando as pernas. O tronco deve estar bem direito, a parte de trás do pescoço do Tori deve entrar em contacto com a cintura do Uke. A mão esquerda deve puxar o máximo para cima o braço direito do Uke, enquanto o braço direito entra por dentro da coxa direita do Uke, controlando-a totalmente. Para  projectar o Tori estende as pernas para levantar o Uke e pela acção dos braços obriga o Uke a rodar por cima dos ombros. 
   Depois da execução de Hidari-Kata-Guruma, o Tori e o Uke, afastam-se para os seus lugares aos quatro metros, compondo os judogis enquanto se deslocam. Ter em atenção que durante a execução de vários grupos de técnicas, para definir bem esses grupos e compor os judogis, não deve de haver grande perca de tempo, para que o ritmo do Kata não seja perdido. 
.  
UKI-GOSHI
      A primeira técnica deste segundo grupo, tem a particularidade de ser executada primeiro à esquerda, e depois à direita, enquanto que todas as outras técnicas deste Kata são executadas sempre primeiro à direita. 
       O Tori e o Uke ficam afastados cerca de dois metros, exactamente como para Seoi-Nage, e o Uke vai  procurar atingir  com um soco, dado de cima para baixo a cabeça do Tori. No momento em que é desferido, o Tori entra rápido, evitando a acção do Uke e colocando a técnica Uki-Goshi. Como pontos importantes a considerar temos: 
     A entrada para a técnica deve ser feita na altura em que o Uke desfere o soco, para o desequilibrar. O contacto é com o lado esquerdo do tronco e da nuca, e o braço esquerdo do Tori envolve bem a cintura do Uke. Na projecção, rodar o tronco da esquerda para a direita com uma ligeira flexão, de forma a que o Uke caia bem à nossa frente. 
    Segue-se o Uki-Goshi à direita. 
. 
HARAI-GOSHI
     De seguida com o Tori e o Uke, separados aproximadamente um metro, executam a técnica Harai-Goshi. 
   O Uke toma a iniciativa de ataque  avançando  a perna direita e fazendo o Kumi-Kata à direita, reagindo o Tori a esta acção recuando a perna esquerda e fazendo também o Kumi-Kata.  Ao segundo passo o Tori modifica o Kumi-Kata, libertando a mão direita da banda esquerda e judogi do Uke e passando-a por baixo da axila esquerda, ajustando-a à omoplata. 
    Ao terceiro passo o Tori aplica a técnica Harai-Goshi. 
    Pontos importantes a considerar: 
    Mudança do Kumi-Kata ao segundo deslocamento para que se consiga obter um bom equilíbrio. No último passo o Tori roda bem o pé esquerdo para a frente, sem o avançar demasiado, ficando a perna flectida com o peso bem sobre a parte dianteira do pé, de forma a se conseguir melhor base de sustentação, permitindo ao Tori o equilíbrio necessário para a concretizarão da técnica. Durante o Kake (arremesso) o pé direito deve estar no prolongamento da perna, deve haver ainda um bom contacto do tronco e da anca com o corpo do Uke, sendo o arremesso conseguido com uma acção de balanço suave, em que o Uke deve estar perfeitamente desequilibrado para a frente direita, caindo por efeito desta técnica à frente do Tori. Segue-se a técnica à esquerda. 
. 
TSURI-KOMI-GOSHI
    Para a última técnica deste grupo, com Tori e o Uke a um metro de distância, o Uke toma a iniciativa de ataque como para a técnica anterior. Para esta técnica o Tori faz a pega da mão direita mais acima, agarrando a gola do casaco do Uke, procurando o Tori o balanço necessário durante estes passos para a colocação desta técnica. No último passo o Tori para conseguir um bom desequilíbrio, traz o seu pé direito para a frente do pé direito do Uke, recuando depois o seu pé esquerdo. O braço direito bem estendido, procurando levantar ao máximo o Uke, colocando-o em cima da anca, em desequilibro completo. 
      Como pontos importantes:  
      Para conseguir um bom equilíbrio, puxar bem o pé direito para a frente do pé direito do Uke, acentuando a acção dos braços. Para que o Tsukuri seja bom, a anca do Tori deve ajustar-se bem às coxas do Uke, conservando o tronco bem direito. Para finalizar a acção, a anca por extensão das pernas, empurra bem as coxas do Uke que também pela acção dos braços é projectado, caindo à frente dos pés do Tori. 
      Depois deste grupo, afastam-se para arranjo dos judogis e dar lugar ao grupo seguinte de Ashi-Waza (técnicas de pernas). 
  
OKURI-ASHI-BARAI
   Tanto o Tori como o Uke deslocam-se lateralmente procurando o Tori o balanço necessário para executar esta técnica. Como pontos importantes nesta execução, temos de ter em atenção o seguinte: acompanhar bem, deslocamento do Uke, mantendo o mesmo ritmo. No último passo para a concretizarão do Kake, este deverá aproximar-se mais do parceiro, orientando o pé de apoio, neste caso o direito, no sentido da projecção. Os braços devem estar flectidos para poderem serem usados ao máximo, mantendo as mãos que agarram o judogi do Uke, sensivelmente ao mesmo nível. O pé que vai varrer, com a planta do pé em contacto com o tornozêlo do parceiro, a perna bem estendida no prolongamento do tronco. A velocidade do varrimento deve ser máxima no momento da finalização. 
. 
SASAE-TSURI-KOMI-ASHI
. 
     Com os parceiros novamente um em frente ao outro à distancia aproximada de um metro. O Uke vai reagir como para as técnicas anteriores, avançado a perna direita depois a esquerda, dando os três passos necessários. O Tori ao segundo deslocamento procura sair da frente do parceiro, esquivando para colocar esta técnica quando o Uke dá o terceiro passo. 
     Ter em atenção o seguinte: quando o Tori esquiva, ficando bem de lado em relação ao corpo do Uke, espera que ele dê o terceiro passo, deve ficar com a perna direita um pouco flectida, para conseguir uma posição bem estável, enquanto que com a sua perna bem estendida e no prolongamento do tronco, vai bloquear com o seu pé esquerdo, fazendo contacto da planta do pé com o peito do pé direito do Uke, para depois com uma acção bem conjugado de braços e tronco, projectar o parceiro. O Tori deve rodar o tronco de forma a controlar o Uke aquando da sua queda. 
Segue-se esta técnica à esquerda. 
. 
UCHI-MATA
     A última técnica deste grupo, o Uchi-Mata, é feita com os dois parceiros a fazerem a pega à direita e a ficarem em posição migi shisen-tai, posição natural direita. Nesta técnica o Tori toma a iniciativa e vai rodar em volta do Uke, procurando em cada movimento trazê-lo para perto de si, para no último passo o Uke já estar à distância ideal para a execução desta técnica. 
   Temos de ter em atenção o seguinte: quando o Tori se desloca em tomo do Uke, para o aproximar de si, o braço que controla a banda do judogi do parceiro um pouco em cima, deve puxar com vigor, com o braço quase na horizontal. No último passo do Tori, com o Uke a avançar a sua perna esquerda já bem próximo, a acção para a projecção é feita de imediato com a perna direita bem estendida, fazendo contacto com a parte externa da coxa e a parte interna da coxa esquerda do Uke, na altura em que ele vai apoiar o pé. O Uke nesta altura e por acção dos braços do Tori deve estar bem desequilibrado para a frente. Segue-se a técnica à esquerda. Depois de finalizar esta última técnica os judocas regressam aos quatro metros para comporem os judogis. 
    Quando termina hidari Uchi-Mata, os judocas afastam-se 4 metros para comporem os judogis, para depois darem início às técnicas de Ma-Sutemi-Waza (sacrifício do corpo, de costas sobre o solo). 
. 
TOMOE-NAGE
   O Tori e o Uke avançam um para o outro para fazerem o Kumi-kata em posição natural direita. O Tori toma a iniciativa e obriga o Uke a recuar a sua perna esquerda, depois a direita e novamente a esquerda, de forma a que o Uke reaja. No último passo, o Uke reage inclinando o tronco para a frente, altura esta que é aproveitada pelo Tori para lançar a sua perna esquerda para o interior das pernas do Uke, passa a sua mão esquerda para a manga direita do judogi do parceiro, junto à axila e com a perna direita bem flectida apoia a planta do pé contra a parte baixa do abdómen do Uke, e deixando-se cair cobre as costas, acentuando cada vez mais o desiquilíbrio, puxando com as duas mãos o Uke, para o seu peito, enquanto estende a sua perna direita e projectado por cima da sua cabeça. O Uke faz migi Zempo-Ukemi e levanta-se. 
Segue-se o Tomoe-Nage à esquerda. 
. 
URA-NAGE
     De seguida aproximam-se um do outro até à distância de 2 metros para executarem a técnica Ura-Nage. 
     O Uke toma a iniciativa de ataque, tentando atingir com um soco dado de cima para baixo a cabeça do Uke, tal como para Seoi-Nage. O Tori esquiva-se a esta acção, baixando um pouco a cabeça e lançando a perna esquerda para trás do Uke, fixando-o com os seus dois braços. O esquerdo envolve a cintura do Uke de tal forma que a palma da sua mão fique ajustada pela frente do Uke, e a mão direita na parte baixa do abdómen com a palma da mão voltada para cima. O Uke deve ficar completamente ajustado ao lado esquerdo do peito de Uke. As pernas devem estar flectidas de forma a que, para projectá-lo com eficiência é só necessário levantar a anca, ao mesmo tempo que se lança de costas sobre o solo e faz passar o Uke por cima do ombro esquer-do. O Uke fica deitado quando cai. 
Segue-se a técnica à esquerda. 
. 
SUMI-GAESHI
   A última técnica deste grupo o Sumi-Gaeshi, o Tori e o Uke avançam um para o outro até, aproximadamente, um metro e agarram-se em posição defensiva direita. 
  A mão esquerda do Tori agarra a manga direita e a mão direita passa por debaixo da axila esquerda e vai ajustar-se à omoplata, por forma a ajustar bem o Uke. O Tori recua a perna direita meio passo, trazendo o Uke, que para manter o seu equilíbrio avança a perna esquerda, o Tori leva depois a perna esquerda para trás, de forma a colocar o pé junto do seu pé direito ou um outro atrás, fazendo com que o Uke avance a perna direita. Nesta altura e por acção dos braços o Tori coloca o Uke em desequilíbrio frente direita, aplica a parte de cima do seu pé direito na coxa esquerda do Uke, e lançando-se para trás, projecta a coxa esquerda do Uke para cima, com o meio pé direito. 
     Com a mão esquerda puxa o corpo do Uke para baixo e coral a direita puxa e levanta, trabalhando com as duas mãos em boa coordenação. A direcção da projecção é a extremidade da espádua esquerda do Tori a técnica é repetida à esquerda. 
     O Tori e o Uke quando acabam o hidari Sumi-Gaeshi, dirigem-se para os seus lugares para ajustarem os judogis. 
.  . 
YOKO-GAKE
    O Tori e o Uke aproximam-se um do outro até à distância aproximada de l metro. 
   O primeiro movimento é como para Uki-Otoshi, no segundo passo o Tori puxa a mão esquerda um pouco para dentro, enquanto que com a mão direita empurra ligeiramente o Uke para o exterior, de forma a fazê-lo inclinar para a sua direcção.  
     No terceiro passo, e pela acção dos dois braços todo o peso do Uke deve estar sobre o dedo pequeno do seu pé direito. Neste momento Tori coloca todo o seu peso no seu pé direito, e lança o seu pé esquerdo contra o peito do pé direito do Uke, ao mesmo tempo que se lança sobre o lado esquerdo do seu corpo, para o solo. 
   A mão esquerda do Tori puxa na direcção do tronco, enquanto que a mão direita o levanta ligeiramente. O Uke cai paralelamente ao corpo do Tori, chama-se a atenção para esta projecção que quando é executada correctamente o Uke recebe um choque tremendo quando cai, deve ter cuidado em manter a cabeça bem levantada, para que no momento do impacto com o solo não fique lesionado. 
Segue-se a técnica à esquerda. 
. 
YOKO-GURUMA
    Para esta técnica, os dois encontram-se à distancia de dois metros, como para a técnica Ura-Nage. Quando o Tori controla o Uke, como o fez para a técnica Ura-Nage, o Uke reage como defesa, inclinando o seu tronco para a frente, que é aproveitado pelo Tori, lançando a sua perna direita profundamente entre as do Uke e lançando-se sobre o lado esquerdo do tronco, projecta o Uke na direcção do ombro esquerdo. Os braços devem de manter o Uke bem ajustado ao corpo e agem para projectá-lo quando o Tori se lança ao solo. O Uke faz Zempo-Ukemi e levanta-se.  O Tori deve seguir com o olhar o Uke. 
Segue-se a técnica à esquerda. 
. 
UKI-WAZA
   Os dois aproximam-se cerca de l metro para tomarem a posição defensiva direita.  
   O Tori recua depois a perna direita, obrigando, o Uke a avançar a sua perna esquerda e a provocar-lhe uma reacção pela acção da sua mão direita. Depois, quando o Uke é trazido para o seu lado direito para se tentar equilibrar, o Tori lança-se sobre o seu lado esquerdo, abrindo bem a perna esquerda, e por acção dos dois braços projecta o Uke na direcção do ombro esquerdo. O Tori segue com os olhos toda a acção. O Uke faz Zempo-Ukemi.  Segue-se depois o Uki-Waza à esquerda. 
    Depois desta técnica os judocas dirigem-se aos seus lugares aos 4 metros para arranjarem os judogis e darem por terminado as técnicas. 
. 
FIM
.  
    Os executantes recuam para os 6 metros, primeiro a perna direita, depois a esquerda. 
    Fazem a saudação de joelhos e levantam-se para saudarem o Joseki e darem por terminado o Nage-No-Kata. 
. 
.